06/05/2016 11h55 - Atualizado em 16/01/2017 11h28

Características da pele negra

A pele negra possui características fisiológicas peculiares que tem impacto considerável nos cuidados diários, bem como na realização de tratamentos cosméticos. Uma das principais diferenças da pele negra em relação à pele clara é a maior produção de melanina, responsável pela pigmentação da pele. Isso diminui a propensão ao câncer de pele, pois a melanina funciona como um protetor solar natural e minimiza os efeitos deletérios da radiação ultravioleta, assim como o fotoenvelhecimento.

Outra característica deste fototipo é que as camadas cutâneas estão fortemente unidas em uma estrutura rígida que a torna mais firme e resistente do que a pele branca, minimizando o aparecimento de rugas, flacidez e celulite. É importante lembrar que essas características não protegem a pele negra a ponto de dispensar o uso de filtros solares. 

Entretanto, a maior produção de melanina, apesar de proteger contra os malefícios do sol, aumenta também a possibilidade de pigmentação, deixando a pele mais propensa a manchas, pois tende a escurecer e a produzir mais pigmento quando sofre qualquer forma de agressão, como uma cirurgia, uma queimadura ou mesmo um procedimento cosmético.

 

A pele negra também tem maior tendência à oleosidade e ao desenvolvimento de acne, pois suas glândulas sebáceas produzem maior quantidade de sebo. Como este tipo de pele mancha com mais facilidade, as lesões de acne (cravos e espinhas) não devem ser manipuladas. Em decorrência da maior oleosidade e dos pelos encaracolados, essas pessoas apresentam mais frequentemente pelos encravados e foliculite (inflamação e/ou infecção do orifício por onde o pelo se exterioriza).  

Dentre as patologias mais comuns da pela negra está a chamada “dermatose papulosa nigra”, lesões que são pequenos pontos acastanhados a negros, elevados que surgem na face. Este problema acomete entre 35% e 77% das pessoas negras e pode ter transmissão genética. No entanto, o tratamento é simples: com cauterizações ou curetagem pode-se resolver o problema, tendo muito cuidado para não desenvolver outras manchas na tentativa de remover a lesões.

Cuidados e tratamentos para a pele negra

Valorizar os traços e características raciais é segredo de beleza para qualquer fototipo. Na pele negra recomenda-se higienizar o rosto duas vezes ao dia, preferencialmente com sabonetes líquidos, para evitar a formação de cravos e espinhas. O ressecamento da pele do corpo favorece o aparecimento de manchas mais claras, esbranquiçadas. Portanto, não se pode descuidar da hidratação diária, especialmente nas regiões mais ressecadas. Banhos longos e excessivamente quentes não são recomendados, assim como o uso de buchas e outros “esfoliantes” que possam agredir a pele, causando maior ressecamento. Como existe um risco maior de desenvolvimento de manchas escuras em função de tratamentos cosméticos ou cirúrgicos, é preciso ter muito cuidado antes de realizar qualquer procedimento dermatológico. 

Os peeling e laser sempre foram indicados com muita cautela para a pele negra. Hoje, as técnicas encontram-se bem mais estabelecidas e seguras para esses pacientes, mas os cuidados após a realização dos procedimentos devem sempre ter acompanhamento médico. Em qualquer situação, não esqueça: o ideal é sempre realizar tratamentos supervisionados por profissionais qualificados.